A investigação será feita pela DDM, após conclusão do IML sobre a causa morte
publicado em 27/09/2013 17:15 | Fernanda Andrade

A causa da morte da jovem Juliana Cristina dos Santos, de 20 anos, que morreu três dias depois de dar à luz a sua primeira filha no Hospital São Paulo, será investigada somente após a conclusão do laudo do Instituto Médico Legal (IML), que deve sair em dez dias. O caso foi encaminhado à Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) para averiguar se houve possível erro médico.
Segundo a delegada Meirilene de Castro Rodrigues, da Delegacia de Defesa da Mulher, que irá conduzir as investigações, somente o laudo vai nortear a apuração do fato. “Após a conclusão do IML será instaurado um inquérito e todos que tiveram contato com a jovem - no período em que ela esteve no hospital - serão interrogados”.
A delegada ainda acrescenta que o fato da Juliana estar internada e apresentar sintomas após a cesariana, não descarta a hipótese também de omissão de socorro. “Nada é concreto. Somente com o laudo podemos realmente descartar as possibilidades e seguir na vertente que justifica realmente o que aconteceu”, ressalta.
VERSÕES DISTINTAS – A jovem deu à luz no Hospital São Paulo no último dia 11 de setembro, e em seguida começou a se queixar de dores abdominais e falta de ar. Questionada, a médica que estava atendendo a paciente teria afirmado que eram apenas gases, mas três dias depois de fazer a cesariana Juliana não resistiu e morreu.
O laudo do hospital aponta que a paciente morreu de embolia pulmonar, mas foi solicitado o encaminhamento do corpo de Juliana para o Serviço de Verificação de Óbito (SVO), que após a análise foi constatado uma inflamação da membrana que envolve o interior da parede do abdômen, além de uma quantidade anormal de um líquido na cavidade abdominal e perfuração em parte do intestino, o que pode ser considerado um possível erro médico.
Já o Boletim de Ocorrência consta que a morte da jovem foi natural. Mas, diante das divergências, o SVO encaminhou o corpo de Juliana para o Instituto Médico Legal, que fará uma análise mais detalhada.

PUBLICIDADE

Envie para um amigo

Seu nome:

Seu e-mail:

E-mail do(s) destinatário(s):

Mensagem:

Código de verificação:

Envie seu comentário

Seu nome:

Seu e-mail:

Comentário:

Código de verificação:

Veja os comentários sobre esta notícia:

celia maria disse às 28/09/2013 19:11:

Se foi isso Marta, erro medico e dos bem bárbaros......Claro que não tem volta para a menina que morreu mas se houver justiça essa medica nunca mais deveria operar.....3 dias de dores e essa "medica" não viu??????

Vânia disse às 27/09/2013 20:49:

Porquê ninguém divulga o nome da obstetra?????? Nota da Redação: Vânia, o nome é preservado porque a investigação está em curso.

Julia disse às 27/09/2013 20:04:

espero muito que esse caso seja resolvido. que sofrimento a menina morrer depois de ter o nenê. os médicos precisam ser mais responsáveis...muitos fazem um parto atrás do outro e não é assim que funciona.

Marta disse às 27/09/2013 19:55:

Segundo fonte minha de segurança maxima...a familia ja sabe a causa...foi o intestino grosso dela que foi perfurado na cesária....